quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Entre o meu rádio e a tua estação.

O problema na verdade tá nesse gostar absurdo. E eu gosto tanto de ti. Gosto do jeito que tu me olha, cheio de si por trás de um bilhão de incertezas. Gosto do jeito que tu sorri, apertando levemente os olhos e fazendo meu peito encher de coisas que eu nem sabia que existiam. Eu gosto do jeito que tu fala, da tua voz firme e da certeza que tu passa em tudo que diz. Gosto do cheirinho que tu tem entre o ombro e o pescoço. Gosto das tuas mãos e da firmeza com que segura minha cintura, me puxando pra mais perto. E eu fico louca com esse tanto de coisas que fazem um sentido quase absurdo pra mim. Não sei ficar longe quando o que eu quero é estar cada vez mais perto. Não sei me fazer de desinteressada quando meu interesse por tudo isso é quase tocável. Não consigo fazer de conta que não gosto, quando eu gosto até demais. É que eu vejo em você uma segurança que não se explica e também nem requer explicações. Só de te olhar parece que o meu mundo todo desajustado e fora de hora toma forma e volta ao seu estado normal. Eu poderia te querer menos. Mas não há como, eu quero tanto você que fica difícil até mesmo tentar disfarçar. Olha, quando eu digo que tô com saudade é porque um pedacinho do meu coração tá quase indo embora. Quando eu digo que quero um abraço é porque eu preciso dos teus braços ao redor de mim pra reconstruir um pouco do que desabou quando tu me deixou solta. E sabe, é o teu jeito de ver as coisas. Esse jeito que ninguém tem, de mesmo com tudo em volta caindo conseguir ver beleza no que ainda sobrou. Eu não tenho medo de quando você some por uns dias. Eu tenho medo mesmo é de conseguir entender que eu posso caminhar sem você. Porque eu não quero. E eu quero continuar quebrando essas promessas idiotas que eu faço a mim mesma quando você chega mais perto. “Nunca mais vou escrever sobre gostar de ti”. E veja só, cá estou eu falando sobre o quão encantadora é a tua presença. E olha guri, tu ainda vai saber sobre tudo isso que eu escrevo aqui agora. Eu prometo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário